Suspeito de matar e esquartejar família de bolivianos em SP é preso na Bolívia

Reprodução/Twitter/Policia Boliviana

O terceiro e principal suspeito de assassinar a família de bolivianos encontrada esquartejada em casa em Itaquaquecetuba, no interior de São Paulo, foi preso em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, na noite do último sábado (9). Gustavo Vargas Arias, de 36 anos, é parente das vítimas e a suspeita é de que o crime tenha sido motivado por questões financeiras.

Os corpos de Jesus Reynaldo Condori, de 39 anos, da esposa, Irma Morante Tanizo, de 38 anos, e do filho do casal, Gian Abner Morante Condori, de oito anos, foram encontrados mutilados e embalados em sacos plásticos dentro de três malas, no início de janeiro. A família de bolivianos estava desaparecida desde o dia 23 de dezembro do ano passado e eram procurados por parentes da Bolívia por meio de campanha nas redes sociais e de denúncias à polícia tanto do Brasil quanto do país de origem.

Segundo a investigação, a prisão do suspeito foi realizada pela Cooperação Jurídica Internacional entre policiais paulistanos e bolivianos. Apesar de o crime ter sido cometido no Brasil, não é confirmado que se Gustavo será entregue para a Polícia Federal brasileira, já que sua cidadania é boliviana.

Durante entrevista coletiva a jornais locais, o boliviano confessou o crime e contou que primeiro matou os pais e, após dois dias, assassinou a criança. “Ele me perguntava cadê os pais, e eu tentava despistar. Eu não queria mata-lo. Ele chorava muito”, relatou.

Um dia depois que os corpos foram encontrados, a Justiça já havia decretado a prisão temporária de dois suspeitos de terem ajudado Gustavo. Miguel Alvaro Bautista Silva e Roberto Kally Javier, são amigos de Gustavo e teriam intermediado o aluguel da casa em Itaquaquecetuba onde os corpos foram encontrados. De acordo com a polícia, ambos entraram em contradição sobre o fato enquanto prestavam depoimento como testemunhas na delegacia e, por isso, foram presos preventivamente.

A investigação aponta a possibilidade de que o crime tenha sido motivado por questões financeiras. Gustavo teria vindo ao Brasil para ajudar a família de bolivianos na confecção de roupas e não estaria satisfeito com o pagamento recebido. Após o crime, o suspeito retirou os pertences e a máquina de costura da casa do casal em São Paulo, levou para o imóvel alugado em Itaquaquecetuba e fugiu. Gustavo estava há um mês sendo procurado pela Interpol.

Fonte: Portal IG