62,6 milhões de brasileiros estavam com contas em atraso em abril

shutterstock

O número de pessoas com contas em atraso no Brasil cresceu 2% mês de abril em relação ao mesmo período do ano passado. De acordo com dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) divulgados nesta terça-feira (14), no mês, 62.6 milhões de brasileiros estavam inadimplentes.

Esse número, segundo a CNDL, representa mais de 40% da população adulta do País. Ou seja: quase metade dos brasileiros adultos estão com as  contas em atraso. Compostas na maior parte por dívidas com bancos (52%), essas pendências englobam cartão de crédito, cheque especial, financiamentos e empréstimos.

Depois dos bancos, as dívidas dos brasileiros estão mais presentes dentro dos segmentos do comércio (17%), de comunicações (12%) e de água e luz (10%).

Entre os endividados, a maior parte é jovem: o relatório aponta que 51% dos negativados ( 17,7 milhões de pessoas) tem entre 30 e 39 anos. Na população com idade entre 40 e 49 anos, por sua vez, 43% tem dívidas a pagar.

Entre os mais jovens, com idade de 18 a 24 anos, a proporção cai para 16% ou 4 milhões de pessoas. Na população idosa, considerando-se a faixa etária entre 65 a 84 anos, a proporção é de 33%.

Para o o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, as dívidas aparecem em maior número no início e meio da fase mais madura da vida, uma vez que  é nela em que se encontram as maiores responsabilidades. “É justamente nessa fase da vida em que a corrida ao crédito acaba sendo inevitável, pois muitos já constituíram família, possuem filhos e assumem mais compromissos financeiros. Em um momento de crise, pode ser difícil equilibrar o orçamento se não houver controle e disciplina”, explica.

Outro número calculado pela CNDL e pelo SPC Brasil é o volume de dívidas em nome de pessoas físicas. Os dados apontam que houve uma queda de 1,23% em abril deste ano na comparação com 2018. É o quarto mês seguido em que foi registrado um recuo no Indicador de Inadimplência PF.

A queda do número de dívidas, em contraste com o avanço do número de devedores, resultou no recuo do número médio de dívidas, que passou de 1,927 em abril do ano passado para 1,866 em abril de 2019.

Na avaliação do presidente da CNDL, José Cesar da Costa, embora o crescimento das c ontas em atraso no País ainda persista, nota-se que o ritmo desse avanço menor e acontece em paralelo com o crescimento do saldo de crédito, segundo dados do Banco Central. “Por muito tempo, o aumento da inadimplência foi mitigado pela restrição do crédito. Agora, a desaceleração acontece em um contexto de retomada das concessões, o que indica um cenário melhor para mercado do crédito”, analisa.

Fonte: Portal IG