Brasil tem maior alta no clima econômico da América Latina e Bolsonaro comemora

Reprodução/Flickr/Governo de Transição

O Brasil registrou, em janeiro, a maior alta no Índice de Clima Econômico entre todos os países da América Latina.  O bom indicador, segundo a pesquisa realizada pela Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgada nesta segunda-feira (11), se deve à melhora das expectativas.

Medido trimestralmente, o Brasil passou de  menos 33,9 pontos no Índice de Clima Econômico em outubro do ano passado para 3,6 pontos positivos em janeiro deste ano. Essa recuperação, de acordo com a FGV, vem do aumento de 25,9 para 88 pontos (alta de 240%) do indicador de expectativas.

Esse também foi o primeiro índice positivo registrado pelo Brasil nos últimos três trimestres. O último indicador acima do zero tinha acontecido em janeiro de 2018, quando marcou 4,3 pontos.

Em sua conta oficial no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) comemorou os resultados. "Queremos e podemos ainda mais!", escreveu. Confira a publicação na íntegra:

A pesquisa é realizada em uma escala de 200 pontos (que varia de menos 100 pontos a 100 pontos positivos). Na média dos últimos dez anos, o Brasil ainda registra uma pontuação negativa (menos 9,9 pontos).

Clima econômico em outras localidades

A pesquisa também mede o Índice de Clima Econômico em outros países.  Na média geral, o indicador da América Latina registrou uma leve melhora de outubro para janeiro, apesar de continuar com pontuação negativa: passou de -10,7 para -9,1 pontos.

Entre os 11 países latino-americanos pesquisados, o Brasil está em sexto lugar, com 3,6 pontos. Confira a lista completa:

Já entre os Brics, o Brasil aprece atrás apenas da Índia (10,4 pontos) e na frente da Rússia (-22,1), África do Sul (-33,7) e China (-38,8). Outros países e regiões pesquisadas para o Índice de Clima Econômico são União Europeia (-13), Estados Unidos (-2,9), Japão (-18,9), Alemanha (11,5), França (-23,8) e Reino Unido (-46,7).

Fonte: Portal IG