Preço da gasolina subiu quase o dobro da inflação em 2018

Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas

O preço da gasolina subiu 7,24% no acumulado de 2018, valor que representa quase o dobro da inflação oficial (IPCA) daquele ano, que foi de 3,75%. O dado foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O combustível foi um dos principais componentes para a alta dos preços no ano passado. Em 12 meses, a elevação do preço da gasolina teve impacto de 0,31 ponto percentual no IPCA, segundo o IBGE.

A alta dos preços de combustíveis vem desde o ano de 2017 e reflete a política de liberdade de preços da Petrobras, adotada durante o governo de Michel Temer (MDB), sobretudo no período em que a estatal fora liderada por Pedro Parente. As variações acompanhavam o mercado internacional, o que onerou os consumidores e foi uma das causas para a greve dos caminhoneiros.

Marcia Fleire Pedroza, do Departamento de Economia da PUC-SP, avalia que “quando se atrela a política de preço às políticas internacionais, as variações são em cima de moedas internacionais. Não só o petróleo aumentou em termos internacionais como também o real se desvalorizou frente ao dólar. Então, por consequência, os preços são repassados para o preço nacional quando você usa essa política.”

Dependente do transporte rodoviário, o Brasil virou refém dos anseios dos caminhoneiros, que paralisaram o País exigindo a redução do preço do diesel e trazendo uma série de efeitos à economia brasileira, como o Produto Interno Bruto (PIB), que, segundo o ex-presidente Temer, poderia ter chegado a 3,5% não fosse a greve de caminhoneiros.

Após a greve, o então presidente da Petrobras, Pedro Parente, renunciou ao cargo. O governo brasileiro cedeu, garantiu subsídio ao diesel e pôs fim à greve, e os combustíveis passaram a oscilar com menor frequência e intensidade com a intervenção.

Apesar de a gasolina ter registrado grande aumento no acumulado do ano passado, nas refinarias houve redução de preços. A cadeia entre a gasolina vendida pela Petrobras e o preço dos postos de combustíveis é longa e, com as inseguranças da economia, o lucro de distribuidoras passou a aumentar, explicando a falta de repasses ao consumidor final no preço da gasolina e do diesel.

Após uma semana de quedas, o preço da gasolina nas refinarias subiu nesta sexta-feira (11), alcançando R$ 1,4624. Em 14 setembro de 2018 foi registrado o maior valor para o litro após a greve dos caminhoneiros: R$ 2,2514. O diesel, por sua vez, é vendido a R$ 1,9009, sendo que o maior valor no período foi de R$ 2,3606, entre os dias dois e 24 de outubro.

Fonte: Portal IG