Milhares vão às ruas pela educação e contra a reforma da Previdência; veja fotos

Milhares de pessoas, entre estudantes, professores e servidores públicos,  foram às ruas nesta terça-feira (13) para protestar a favor da educação, contra os cortes do governo federal no setor e também a reforma da Previdência em mais de 200 cidades dos 26 estados e do Distrito Federal, segundo os organizadores. Foi o terceiro grande ato convocado desde o "contingenciamento" anunciado por Jair Bolsonaro (PSL).

Os protestos desta terça foram convocados pela União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e contou com a presença de servidores do setor da educação e também de centrais sindicais.

O maior dos atos, de acordo com os organizadores, aconteceu em São Paulo, onde cerca de 100 mil pessoas se reuniram na Avenida Paulista no início da tarde e marcharam até a Praça da República. A Polícia Militar não contabilizou o público presente. Cidades do interior paulista também registraram concentrações.

Já no Rio de Janeiro, a organização estima que cerca de 40 mil pessoas saíram das imediações da Igreja da Candelária e foram até o Edifício Sede da Petrobras. Os cortes na educação e a reforma da Previdência foram as principais críticas em cartazes e faixas.

Em Brasília, estudantes, professores e lideranças indígenas se reuniram na Esplanada dos Ministérios desde a manhã. O chamado Tsunami da Educação aconteceu também em Goiânia e cidades de Goiás.

Em Salvador, as manifestações começaram nesta manhã. Cidades como Feira de Santana, Itabuna, Vitória da Conquista e Juazeiro também registraram protestos. No Ceará, a capital Fortaleza amanheceu tomada por manifestantes nas ruas. Já no Recife, estudantes e professores se reuniram na parte da tarde.

Na região Sul, as três capitais registraram grande concentração de manifestantes. Em Florianópolis, cerca de cinco mil pessoas se reuniram no Largo da Catedral. Já em Curitiba, pelo menos 10 mil pessoas protestaram no centro da cidade. Em Porto Alegre, o ato foi maior, e os organizadores falam que 30 mil foram às ruas.

Como das outras duas vezes, os principais alvos dos manifestantes foram Bolsonaro, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, e também o ministro da Economia, Paulo Guedes. O primeiro, em 15 de maio, mobilizou a sociedade civil em pelo menos 222 municípios em todos os estados, incluindo o Distrito Federal. O segundo, no dia 30 do mesmo mês, ocorreu em ao menos 136 cidades de 25 estados e o DF.

Fonte: Portal IG