Deputados do PSL procuram Rodrigo Maia para discutir vagas na Câmara

Reprodução/Agência Brasil

Deputados do PSL, partido do presidente eleito Jair Bolsonaro, procuraram o atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), nos últimos dias para discutir o futuro espaço da sigla na Mesa Diretora e em comissões chave da Casa a partir da próxima legislatura que começa em fevereiro de 2019.

O movimento deste grupo de deputados, no entanto, vai na direção contrária ao de outras lideranças do partido que, segundo mensagens reveladas pelo jornal O Globo na tarde de ontem (6), estão tentando montar uma candidatura de oposição ao nome de Rodrigo Maia, em torno do apoio ao deputado João Campos (PRB-GO).

Liderado pelo atual presidente do PSL, Luciano Bivar, o grupo que procurou Maia indicou que gostaria de garantir uma importante vaga na composição da Mesa Diretora da Casa, provavelmente a vice-presidência, e o comando da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a mais importa da Câmara já que por ela passam todos os projetos relacionaos a constitucionalidade e legalidade que, depois, serão submetidos ao plenário.

Dirigentes do DEM, no entanto, afirmam que Rodrigo Maia não assumiu nenhum compromisso com o PSL e revelaram irritação de aliados do atual presidente da Câmara com o partido. Isso porque Maia já tinha pedido a neutralidade ao governo Bolsonaro que, por sua vez, declarou publicamente que não iria interferir na disputa. Dessa forma, se as articulações com o atual presidente da Casa realmente fracassarem, a vice-presidência da Mesa na chapa de Maia deve ficar com um dos partidos do "Centrão". Na gestão atual, o posto é ocupado pelo MDB.

Enquanto isso, a outra ala do PSL, que inclui o filho do presidente eleito, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), tenta atrair integrantes de outras siglas para fortalecer a candidatura de Campos. O jornal O Globo revelou que, secretamente, o deputado federal eleito por São Paulo se reuniu com dirigentes de legendas como o PR, PRB e o Podemos para lançar uma outra chapa com o apoio do governo.

Campos pediu ao filho de Bolsonaro que convença o pai a se envolver diretamente com a disputa na Câmara, da qual Bolsonaro tem procurado manter distância. Representantes do PRB ouviram do futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que o bloco de deputados poderá ter simpatia do novo governo, mas não mais do que isso.

Fonte: Portal IG