Verde-amarelo ressurge na posse de Bolsonaro após vermelho dominar gestões do PT

Jefferson Rudy/Agência Senado - 1.1.19

Pequenos detalhes puderam ser notados ao longo da extensa  cerimônia de posse de Jair Bolsonaro (PSL) como presidente da República, realizada nessa terça-feira (1ª). Detalhes como o fato de a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, não ter tirado os olhos dos intérpretes de libras que trabalharam na posse de Bolsonaro. Ou como o terno não tão bem alinhado do presidente em decorrência do colete à prova de balas.

Mas um detalhe, nem tão pequeno assim, merece destaque: a ressurreição do verde-amarelo e da bandeira do Brasil em uma cerimônia de posse presidencial. Mais de 115 mil pessoas, de acordo com as estimativas do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), ocuparam a Praça dos Três Poderes em Brasília para acompanhar a posse de Bolsonaro. E, diferentemente das cerimônias anteriores, as cores da bandeira brasileira foram predominantes.

Quinze anos atrás, quando Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deu início ao seu primeiro mandato à frente da Presidência da República, o verde-amarelo era quase imperceptível em meio à multidão. As bandeiras vermelhas do Partido dos Trabalhadores e de partidos aliados dominaram o gramado da Esplanada dos Ministérios naquele 1º de janeiro de 2003, quando Lula e José Alencar subiram a rampa do Planalto para o encontro de Fernando Henrique Cardoso.

O panorama mudou um pouco na cerimônia seguinte, que marcou a posse de Lula para seu segundo mandato, em 2007. Na ocasião, as bandeiras vermelhas ainda foram maioria, mas havia muito mais bandeiras com as cores verde e a amarelo em meio aos apoiadores do petista.

Para o início dos mandatos de Dilma Rousseff (PT), a tônica das cerimônias foi a mesma. Em 2011, ao lado do então vice, Michel Temer (MDB), Dilma subiu a rampa do Planalto tendo como fundo um mar de pessoas com camisas e bandeiras vermelhas. Já em 2015, houve equilíbrio maior entre o vermelho e o verde-amarelo no público que viu, mais uma vez, Dilma e Temer lado a lado.

O próprio Jair Bolsonaro fez questão de enfatizar a mudança na 'paleta de cores' do País durante seu discurso no parlatório do Planalto, nessa terça-feira. Agitando uma bandeira do Brasil, o capitão da reserva do Exército repetiu bravata que é amplamente difundida entre seus apoiadores e adeptos do antipetismo: "Esta é a nossa bandeira, que jamais será vermelha", disse, dirigindo-se ao público presente na posse de Bolsonaro. "Só será vermelha se for preciso o nosso sangue para mantê-la verde e amarela", emendou.

Fonte: Portal IG